Navegar no Blog Adzuna »

Como a inteligência artificial está mudando a contratação nas empresas

A Pymetrics é um dos muitos exemplos de como a análise de dados e a inteligência artificial estão cada vez mais presentes nos processos de recrutamento.

A tentativa é preencher balões animados com água sem os estourar. O foco apuradíssimo na tela do computador, usando a barra de espaço tão logo um ponto verde aparece. E se pensa em quanto dinheiro negociar com um parceiro imaginário em cenário parecido ao dilema do prisioneiro.

Este é o exato processo que aproximadamente um milhão de candidatos seguiu para se candidatar por vagas em empresas como Tesla, LinkedIn e Accenture.

A plataforma destes games é Pymetrics. A idéia é que seus jogos, medindo 90 “traços de personalidade, de social, e cognição”, oferecem parâmetros mais objetivos de compatibilidade de trabalho do que o tradicional currículo e entrevista.

engenheiros de robótica

A Pymetrics produz algoritmos personalizados para empresas por apontar ao menos 50 de um dos melhores funcionários de uma organização através de seus jogos. Isso cria um modelo de um funcionário ideal para comparar com candidatos com traços similares.

Estes jogos são particularmente eficientes para posições corporativas. A Unilever, por exemplo, usou o software para uma seleção inicial de candidatos em seu programa para graduados de universidade novos antes de os levar para o próximo estágio de entrevistas e testes.

No tutorial, uma mulher  que se identifica como Lauren diz que a pessoa vai jogar 12 minigames, cada um levando não mais do que alguns minutos. E o mais importante: não há respostas certas ou erradas, a pessoa deve apenas se focar em ser ela própria, ela diz. E se divertir.

Frida Polli, CEO e co-fundadora de Pymetrics diz que “Se eu desejasse descobrir quanto você pesa, eu poderia te perguntar”. “Você pode não saber. Você pode não desejar me dizer. Você pode ter mudado desde a última vez que se pesou. Mas se eu simplesmente te colocar em uma balança, a mesma vai me apontar”.

Artigo produzido pela equipe da Escola Brasileira de Games.